Qual a forma mais correta de relacionar DSTs, DIU de cobre e infertilidade?
DIU de cobre

Qual a forma mais correta de relacionar DSTs, DIU de cobre e infertilidade?

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter

É certo que o DIU de cobre é ótimo para a mulher, enquanto seu desejo for evitar uma gestação. Mas, e quando ela decide que é hora de ter o bebê? O DIU pode prejudicar a fertilidade? E para o aparecimento de DSTs, o DIU de cobre favorece?

Para trazer esclarecimentos sobre essa verdadeira mistura de interrogações, a ginecologista-obstetra e mastologista, Erika Guertas, decifra o papel e a natureza de cada um desses elementos.

Para a mulher com idade reprodutiva avançada, há um risco aumentado do uso de DIU de cobre, ou mais dificuldade para engravidar, quando ela desejar ter um filho?

  • Não. É exatamente o contrário! Durante o uso do DIU de cobre, é possível saber a duração do ciclo menstrual, sua periodicidade e a paciente permanecerá ovulando. Quando quiser engravidar, é só tirar o DIU, que tudo permanecerá como está, em perfeito funcionamento.


Afinal, há alguma relação entre DIU de cobre e infertilidade?

  • Não há. Essa polêmica teve início quando nos primórdios o DIU era produzido com fios multifilamentares (obsoletos, há décadas) e apresentava relação com doença inflamatória pélvica*. Por esse motivo, há muitos anos e nos dias atuais, TODOS os DIUs de cobre disponíveis no país são com fios monofilamentares, ou seja, não têm qualquer relação com inflamações pélvicas. Porém, a crença permanece até hoje.


*a doença inflamatória pélvica se dava, por meio de colonização de microrganismos no colo, vagina e trato genital superior, que poderia acarretar à infertilidade. Por essa incidência, o modelo multifilamentar caiu em desuso, há muito tempo.

Por que as DSTs podem levar à infertilidade? De alguma forma, o DIU de cobre favorece o surgimento dessas doenças? Se sim, qual a maneira mais eficaz de evitar, além do uso de preservativo?

  • O DIU de cobre não favorece DSTs. O que pode mudar é a paciente, que por usar o DIU de cobre e estar protegida para gestação, julgue que não precise usar preservativo. Isso sim aumenta o risco de DSTs. Ou seja, camisinha tem que usar sempre!

  • As DSTs, principalmente a clamídia e a gonorreia, podem levar à infertilidade, por ascensão dos microrganismos para o trato genital superior, levando a uma doença inflamatória pélvica (DIP). Quando as trompas são acometidas por uma DIP elas podem ficar obstruídas ou perdem sua funcionalidade, o que é muito importante para a fertilidade. A única maneira eficaz de evitar a DIP é o uso de preservativo!!!


Para saber mais, consulte seu ginecologista.

Dra Erika Guertas é ginecologia-obstetra e mastologista. CRM:133954

linha

Relacionados

linha