Pílula x Diu X Hormônio: Mitos e Verdades
Saúde da Mulher

Pílula x Diu X Hormônio: Mitos e Verdades

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter

Quando o assunto é beleza, diversas receitas e dicas milagrosas povoam o imaginário feminino. Neste contexto, a utilização dos hormônios, presentes nos contraceptivos, para fins estéticos, produz uma série de dúvidas e afirmações controversas.

Para trazer luz ao tema, a dermatologista Cláudia Peres elenca mitos e verdades em torno da escolha certa para tratamentos cutâneos e capilares X indicações hormonais.

O DIU de Cobre é contraindicado para quem tem problemas de pele  e queda de cabelo? Mito. Há um grande engano, em relação ao uso do DIU e questões dermatológicas. O DIU de cobre é um dispositivo intrauterino totalmente livre de qualquer tipo de substância hormonal. Isso significa que esse método contraceptivo não apresenta qualquer interferência na aparência da pele ou dos cabelos. Ou seja, não há relação alguma.

É correto afirmar que a pílula melhora a pele e os cabelos, sempre? Mito. Outro equívoco. Para esclarecer esse ponto é essencial dissociar o uso da pílula dos tratamentos de todos os problemas cutâneos ou capilares.  Primeiro, nós não podemos afirmar que o uso do hormônio presente na pílula anticoncepcional via oral, vai deixar a pele ou os cabelos mais bonitos, sempre. Segundo, o correto é dizer que essa relação só acontece, quando os danos causados na pele e nos cabelos, como queda acentuada, foram gerados por algum tipo de desequilíbrio hormonal. É o caso de mulheres diagnosticadas com ovário policístico, por exemplo.

Para quem não têm problemas hormonais, a pílula não vai melhorar a pele, nem deixará o cabelo mais bonito? Verdade. Ainda assim, é importante detalhar que essa melhora só acontece, a partir de uma associação direta entre a composição da pílula e o tipo de questão hormonal. Hoje, existe uma gama variada de componentes indicados para cada tipo de deficiência hormonal. Logo, o médico consegue colocar um anticoncepcional adequado pra tratar cada alteração específica. Mas, cuidado, nem todas as formulações vão melhorar a pele. É importante falar com o médico sobre isso.

A melhora acontece para a grande maioria das mulheres? Verdade. A resposta é muito positiva, na maioria dos casos. Válido lembrar que é eficaz para quem tem acnes, pele oleosa, queda de cabelos e cravos (com base em alterações hormonais) e que deve conter as substâncias ideais para neutralizar aquele tipo de problema.

O único tratamento possível indicado para peles e cabelos danificados por desordem hormonal, é feito por meio da pílula? Mito. Em casos de pacientes em que a pílula anticoncepcional é contraindicada, por exemplo, com risco de trombose, e, ao mesmo tempo, precise de cuidados com pele e cabelos, por questões hormonais, há a indicação das substâncias chamadas de antiandrogênicas. Elas são capazes de neutralizar alterações hormonais, que provocam os problemas de pele e cabelo. Uma delas é a espironolactona (bastante utilizada).

Além dessa conduta, existe o tratamento para pacientes que têm acne por um problema genético e não possuem alteração hormonal. Nestas situações, realizamos tratamentos à base de antibióticos, cremes tópicos, ácidos retinóicos e isotretinoina oral.

Para saber mais, procure seu ginecologista e dermatologista.

Cláudia Peres é dermatologista, especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia e Cirurgia Dermatológica. CRM: 101029/RQE*: 51888

*Registro de Qualificação e Especialista

Instagram @draclaudiaperes

www.facebook.com/clinicaclaudiaperes/

linha

Relacionados

linha