O efeito pílula para o útero
Saúde da Mulher

O efeito pílula para o útero

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter

É fato. O uso do anticoncepcional via oral não provoca infertilidade.

Os efeitos colaterais, que geram confusões sobre dificuldades para engravidar após uso do contraceptivo oral, após muitos anos, é tema para o ginecologista-obstetra e especialista em reprodução humana, Dr. Luiz Fernando Carvalho.

Não existe consequência para a fertilidade pelo uso de pílula. Existe uma tendência pequena em proteção de algumas doenças: principalmente àquelas relacionadas ao crescimento de miomas, tratamento de dor. Mas, não existe repercussão para a pelve feminina. Não há nada comprovado, cientificamente. Assim, é correto afirmar que tomar pílula por muitos anos não prejudica a fertilidade no futuro.

O único detalhe importante é que você pode perder o parâmetro de algumas doenças. Como a pílula trata, por exemplo, da dor da endometriose, ela pode ajudar a torná-la uma doença silenciosa. Então, uma das limitações para mulher que opta por ter uma gravidez tardia, é não ter como observar o surgimento desse tipo de patologia, precocemente. Assim, a conduta é que ela pare um pouco (interrompa) o uso da pílula, sob a supervisão do ginecologista, para realizar os exames de rotina que identificam doenças mascaradas pelo uso duradouro da pílula. Após, a investigação e liberação médica, ela retorna ao método, sem problemas.

Outros efeitos colaterais a partir da pílula anticoncepcional. A infertilidade não está entre eles. Chama atenção a publicação do clínico geral e nefrologista, Pedro Pinheiro, ao abordar o chamado sangue de escape (perdas sanguíneas pela vagina, fora do período menstrual) e a amenorreia (ausência de menstruação).

Sobre o sangue de escape. O clínico esclarece que geralmente ocorre nos primeiros ciclos de uso da pílula, pela fragilidade da parede do útero, que costuma tornar-se atrofiado pelo uso do anticoncepcional. Habitualmente, as pílulas com doses baixas de estrogênio são as que mais provocam esse tipo de sangramento. Com o tempo, porém, o sangramento tende a diminuir e desaparecer.

Uma causa comum é o uso errado do anticoncepcional, principalmente quando a paciente se esquece de tomar o medicamento diariamente. Nestes casos, o sangramento se dá por variações súbitas nos níveis de hormônios e pode estar relacionado a uma falha no efeito protetor da pílula anticoncepcional.

No caso da amenorreia - o especialista é didático ao descrever que apesar da crença popular, o uso dos anticoncepcionais hormonais não aumenta o risco de infertilidade, a longo prazo. Exceto pelos primeiros 2 ou 3 meses de amenorreia, as mulheres que interromperam o uso da pílula, mesmo após anos de uso, conseguem engravidar sem problemas. Na verdade, há estudos que apontam que o uso de anticoncepcionais aumenta a taxa de fertilidade e não o oposto.

Portanto, se a gravidez demorar a acontecer, o casal deve ser investigado para infertilidade, mas é pouco provável que a pílula seja a responsável pelo problema.

Para saber mais, consulte seu ginecologista.

Dr. Luiz Fernando Carvalho, ginecologista-obstetra, especialista em reprodução humana. CRM: 125609

Dr. Pedro Pinheiro é clínico-geral, nefrologista.https://www.mdsaude.com/2013/07/anticoncepcional-trombose.html

 

linha

Relacionados

linha