Exames de rotina: quais são e o que identificam
Saúde da Mulher

Exames de rotina: quais são e o que identificam

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter

Para destacar o check-list básico para a saúde do aparelho reprodutivo feminino,  em todas as fases da vida da mulher, a ginecologista-obstetra Claudia Takano dá um panorama geral.  As principais diretrizes e funções do check-up ginecológico anual são importantes ferramentas para o combate ou a detecção precoce de problemas de saúde relacionados à mama, útero, ovário e os órgãos genitais femininos, e também para a prevenção e tratamento de doenças que podem levar à infertilidade.

Todos os anos - a recomendação básica é que todas as mulheres procurem pelo atendimento do seu ginecologista, anualmente, ou sempre que houver algum sintoma, queixa.

Nesta consulta, o médico  realiza  a anamnese  (entrevista) conversando detalhadamente sobre eventuais  sintomas ginecológicos. É importante sempre ter em mente quais os assuntos mais relevantes nessa conversa: o ciclo menstrual, o  método contraceptivo utilizado, o histórico de gestações,  de doenças da paciente e da sua família. Esses são os dados que antecedem a consulta clínica e são complementares para os exames laboratoriais ou de imagem, que serão indicados para aquela paciente.

O exame clínico de rotina indicado, ou seja, que deve ser realizado pelo ginecologista no consultório, deve compreender:

  • Exame das mamas

  • Exame dos órgãos genitais externos (vulva)

  • Exame especular – para avaliação  da  vagina  e colo do útero, se há presença de corrimento e realização da coleta de material para exame preventivo de câncer de colo do útero (Papanicolau)

  • Exame de toque vaginal – em que são avaliados o útero e ovários, quanto ao tamanho, consistência,  posição, mobilidade, dor.


Com esta avaliação clínica, é possível detectar DSTs e  outras doenças como mioma, suspeita de endometriose, nódulo de mama.

Os exames laboratoriais de rotina, envolvem:

1- Exame de Papanicolau (colpocotologia oncótica) – detecta e previne o câncer de colo uterino. No Brasil, a recomendação é que se realize nas mulheres entre 25 e 64 anos, que já iniciaram atividade sexual. O intervalo é a cada 3 anos, desde que se tenha realizado dois exames normais, consecutivos, com intervalo de 1 ano. Existem mulheres que apresentam maior risco. Estes casos são analisados pelomédico, individualmente. Ele irá decidir se há a necessidade da realização de um rastreamento diferente da recomendação habitual.

2- Exame de mamografia: detecta o câncer de mama. Segundo o Ministério da Saúde, é recomendada realização anual, a partir dos 40 anos ou entre 50 e 69 anos. As mulheres com histórico familiar são avaliadas, individualmente, quanto à necessidade de iniciar a realização desse rastreamento, de forma mais precoce.

3 - O exame de ultrassom: possui diversas funcionalidades e é solicitado quando é detectada a necessidade de uma melhor avaliação dos órgãos genitais internos (útero, ovários e tubas uterinas), devido a alterações detectadas no exame ginecológico (clínico) e/ou o relato sobre diferentes sintomas ginecológicos. Entre eles: alterações do ciclo menstrual, queixa de infertilidade, dor pélvica. O ultrassom também é indicado para avaliar posição de DIU de cobre.

Não há indicação de exames de rotina específicos para quem utiliza o DIU de cobre. Apenas é recomendado que as mulheres retornem para consulta de 3 a 6 semanas após a implantação do dispositivo intrauterino.

Para saber mais, consulte seu ginecologista.

Claudia C. Takano é ginecologista-obstetra, Mestre e Doutora pela Escola Paulista de Medicina, Unifesp. CRM: 77181

linha

Relacionados

linha