#escolhadape: A saga no SUS e os exames necessários
DIU de cobre

#escolhadape: A saga no SUS e os exames necessários

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter

Um “olá” muito animado de quem está com o DIU instalado!

Pois é, pessoas – DÁ MESMO PRA POR O DIU PELO SUS. E digo mais: não apenas o procedimento foi realizado, como, EM TODAS AS SUAS ETAPAS, isso aconteceu com excelência: pontualidade, profissionalismo, cuidado técnico e cordialidade no trato – ou seja, ao menos NO MEU CASO, a experiência não poderia ter sido mais positiva!

E se não foi mega rápido, também não morri de tédio: entre a minha 1ª ida ao posto mais próximo da minha residência (06/06/17) até a colocação do bendito petuti (29/09/17) foram pouco menos de 4 meses. Mas o que mais importa é que FOI DE GRAÇA E SEM MENOS QUALIDADE POR ISSO. Bom, né, mores?

Então agora, pra você ter saber direitinho todos os detalhes do processo, fiz um DIUÁRIO, kkk; vamos a ele:

06/06/17: 1ª ida ao posto do SUS. Já vou avisando que meu anjo da guarda é O CARA e opera no ISO semi divino, rs; o posto fica a QUATRO quadras de onde moro e SÓ TEM GENTE LEGAL. Quem viu meus stories no dia pode perceber, rs. Lá, foi simples e rápido: levei os documentos (não pode esquecer o comprovante de residência, hein?), fiz o meu cartão de agendamento e marquei a consulta com o ginecologista pra quase 2 meses depois (25/07/17). Mas, viu, vale já dizer que esse foi o período de maior demora no processo todo, tá?

25/07/17: dia da 1ª consulta com o ginecologista – Dr. Wilson. Querido, competente, experiente, atualizado, ele colheu o material pra o parasitológico e fez os pedidos de exames. Saí com os mesmo em mãos e também com o retorno marcado (com um intervalo de tempo  suficiente - tomara! - pros resultados já terem saído).

09/08/17: exames de sangue. Fui orientada a chegar cedo (o posto abre às 7h), porque esses exames são feitos por ordem de chegada, com retirada de senha. Cheguei 6h50 e saí 7h45!!! Tudo rápido e indolor - enfermeiro hiper cuidadoso e habilidoso. Melhor que muitas outras coletas que fiz em laboratórios particulares e de renome, viu?!? ;o)

16/08/17: ultrassom transvaginal. Esse exame foi o mais difícil de marcar – agenda mega lotada nas unidades da minha região. Nessas, fui parar lááá na Z.S., num posto enooorme – e já fui avisada sobre o muito provável atraso que, me disseram, era de praxe por lá. Bem, de fato, o posto é IMENSO – fiquei impressionada com a quantidade de pessoas que lá estavam, esperando atendimento e, com marmitas, água, celular carregado, fone e até um livro (!), fui, resignada, pegar minha senha inicial (sim, há uma pra cada etapa). Não é que pra minha TOTAL SURPRESA, a fila fluiu super bem? E, mais uma vez, me diverti horrores com a galera do posto? Além de (o mais importante e impressionante desse lugar) TER SAÍDO de lá em MENOS DE 1h30, JÁ COM O RESULTADO EM MÃOS?!? Sério, a essa altura, eu já tinha virado fã do SUS, confesso.

24/08/17: ultrassom das mamas, no AME Idoso – num entendi, porque, né? Sou Penélope Nova, hahaha! Zueirinhas a parte, de todos os postos nos quais estive, esse foi o que mais me impressionou: pronto atendimento, funcionários MUITO gentis com todos – sendo que a maioria dos atendidos era, obviamente, idosa. A médica que me atendeu foi hiper atenciosa e sua assistente também foi uma querida. Pude, inclusive, tirar dúvidas durante o exame. E mais uma vez, saí com o resultado do exame em mãos, sendo que, nesse caso, me foi demonstrada a solidariedade que a gente acha que não existe mais nesse mundo – e fala a verdade, menos ainda no SUS, certo? Errado. A data do resultado de exame ficou pra depois do meu retorno já marcado lá no meu posto de origem e, se assim fosse, eu teria que remarcá-lo - o que atrasaria tudo. Mas ao saber disso, fui orientada a falar com a responsável pela unidade e ela, cheia de boa vontade em ajudar, providenciou a impressão do resultado ali, na hora... Ah, vale dizer que perguntei com que frequência isso acontecia - receando que esse “facilitamento” pudesse ter ocorrido em razão deu ser “pessoa pública (tipo de coisa que acontece mesmo) – e tchanrãããnn!!! Fui informada que eles costumam fazer o mesmo com todos, sempre que necessário for! Revigorante, né?!? ;o)

28/08/17: Mamografia – ME-DOOOOO!!! Mas deu nada, foi super de boa (ufa!). Esse posto foi o mais “caidinho” de todos que fui; falando em termos de estrutura. Sujinho, cadeiras quebradas e uma equipe reduzida, pelo que pude observar. A mina que realizou meu exame, de cara, tava sendo bem ríspida com a mulherada que estava na sala de espera... Grossa, até. Mas, quando entrei na sala de imagens e comecei a comentar sobre a sua prática na operação do maquinário (sério, gente, a mulher parecia um robô) e também nos comandos vocais que ela me dava (todos fáceis de entender e mega facilitadores pra ambas), ela abriu um sorrisão, orgulhosa do reconhecimento e valoração. Demos risada e eu não senti NADA! Dor NENHUMA, juro mesmo! Saí de lá felizona, ansiosa pra, finalmente, ter um DIU pra chamar de meu!

No próximo post você acompanha o relato do dia da inserção do DIU!

*Penélope Nova é apresentadora e colunista no Escolha D. Durante os próximos meses, ela irá relatar a sua experiência de inserção do DIU de cobre pelo SUS e seu parecer sobre sua escolha.. Acompanhe aqui no site e no Instagram da Penélope.

linha

Relacionados

linha