DIU de cobre e a prática de exercícios físicos
Saúde da Mulher

DIU de cobre e a prática de exercícios físicos

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter

Uma das dúvidas mais recorrentes entre as mulheres que optaram ou pretendem adotar o DIU de cobre (dispositivo intrauterino de cobre) como método contraceptivo é sobre as atividades físicas. Há alguma restrição à prática de exercícios físicos após a inserção do DIU de cobre? Há o risco de o dispositivo intrauterino se mover durante a atividade física?

Felizmente, a resposta para estas perguntas é não! Não há restrição ou risco para a realização de atividades físicas após a inserção do dispositivo, e o DIU não se move no organismo quando se realizam exercícios físicos.

Como o procedimento para a inserção do DIU de cobre é bastante simples e rápido, sendo realizado no próprio consultório médico e sem a necessidade de anestesia, não há a necessidade de repouso e, por consequência, não há a necessidade de se evitar a prática de exercícios físicos ou de se adotar qualquer alteração na rotina.

Cólicas e fluxo menstrual mais intensos


Há mulheres, no entanto, que podem sentir cólicas e dores mais intensas após o procedimento de colocação do DIU, que podem perdurar por um ou dois dias, de acordo com o Manual de Planeamento Familiar da Organização Mundial de Saúde.

Ainda segundo o manual, “as cólicas também são comuns nos primeiros 3 a 6 meses de uso do DIU, particularmente durante a menstruação.”

Um fluxo menstrual mais forte do que o normal também pode ocorrer após o procedimento de colocação do DIU, mas tende a se estabilizar e normalizar depois de algumas semanas.

Nestes casos, tais efeitos podem, então, apresentar-se como elementos que dificultem a prática de exercícios físicos, mas não são fatores impeditivos em si. Tudo depende da vontade própria mulher e de como ela está se sentindo.

Atividades físicas ajudam a reduzir as cólicas


Em texto publicado aqui no Escolha D, a ginecologista-obstetra Dra. Cláudia Takano falou da relação entre a prática de atividade físicas e a redução das cólicas. Segundo a especialista:

“No início do treino, ou antes de iniciar a atividade, muitas vezes a indisposição é muito grande, devido à cólica. Passados alguns minutos, é perceptível a melhora gradativa da dor. Isso acontece, devido ao aumento da circulação sanguínea, inclusive na região abdominal. E a cólica se dá por falta de circulação na região do útero. Outro fator está relacionado à liberação de endorfina, a partir da atividade física. O hormônio é considerado um analgésico natural.”

Como o dispositivo intrauterino de cobre não possui hormônios, seu uso não acarreta uma série de efeitos colaterais muitas vezes associados a outros métodos contraceptivos, como as pílulas e o DIU hormonal, a exemplo das dores de cabeça, alterações de humor, cansaço e aumento de peso, efeitos colaterais estes que podem ter impacto significativo na prática de atividades físicas.

Conclusão


Vale ressaltar que num período aproximado de um mês após a colocação do DIU de cobre a mulher deverá retornar ao consultório médico para a realização de exames a fim de se verificar se o dispositivo se encontra devidamente acomodado, devendo estas consultas e exames também serem realizados rotineiramente, de acordo com a orientação médica.

No universo da contracepção, em que existem tantas possibilidades e formas de se evitar a gravidez, a busca pelo método ideal para cada mulher deve ser sempre fundamentada na busca de informações e no diálogo franco com os médicos e demais profissionais de saúde.

Se você se interessou pelos benefícios da adoção do DIU de cobre como método para a prevenção à gravidez, procure um médico ginecologista ou vá até uma Unidade Básica de Saúde para obter mais informações e verificar se o dispositivo é o método ideal para você.

linha

Relacionados

linha