DIU de Cobre gratuito em hospitais e maternidades públicas desde 2017
DIU de cobre

DIU de Cobre gratuito em hospitais e maternidades públicas desde 2017

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter

Com o objetivo de ampliar o acesso da população a métodos contraceptivos reversíveis, o Ministério da Saúde passou a disponibilizar DIU de Cobre gratuito, desde dezembro de 2017. O dispositivo intrauterino de cobre, em maternidades e hospitais ligados ao Sistema Único de Saúde - SUS.


O dispositivo, que desde o ano 2000 é ofertado gratuitamente nas UBS – Unidades Básicas de Saúde do SUS, passa agora a ser disponibilizado também em hospitais e maternidades. Isso amplia o acesso ao método e facilita a sua inserção.


Segundo a Portaria do Ministério da Saúde nº 3265, de 1º de dezembro de 2017, a oferta do DIU de Cobre em hospitais e maternidades ligadas ao SUS vai de encontro às estratégias e objetivos específicos da PNAISM – Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Mulheres, que busca:


·         estimular a implantação e implementação da assistência em planejamento familiar, para homens e mulheres, adultos e adolescentes, no âmbito da atenção integral à saúde;


·         garantir a oferta de métodos anticoncepcionais para a população em idade reprodutiva;


·         ampliar o acesso das mulheres às informações sobre as opções de métodos anticoncepcionais;



Vantagens do procedimento no pós-parto


A inserção do DIU de Cobre, quando há interesse por parte das mulheres e o método se mostra adequado para o seu caso. Segundo a portaria, deve ocorrer entre 10 minutos e 48 horas após o parto ou abortamento.


Tal indicação, segundo texto publicado no site da FEBRASGO – Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia, se dá por alguns motivos, como por exemplo a menor taxa de expulsão do dispositivo quando o mesmo é inserido logo após a saída da placenta. A conveniência da realização do procedimento na própria maternidade, a alta motivação em se evitar uma nova gravidez na sequência, bem como a certeza de que a mulher não está grávida.


Caso as 48 horas pós-parto ou pós-abortamento tenham se passado sem que o dispositivo tenha sido inserido, deve-se aguardar um período mínimo de 4 semanas para que o procedimento possa, então, ser realizado.



Respeito aos direitos sexuais e reprodutivos


Tanto no pós-parto quanto no pós-abortamento, a anticoncepção imediata deverá respeitar todos os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres. O aconselhamento e orientação acerca do método, o livre exercício da sexualidade e da escolha da hora em que se quer ou não engravidar. O acompanhamento de equipe de atenção básica e especializada, o manejo de possíveis complicações e efeitos adversos e todas outras ações que se mostrem necessárias ao cuidado da mulher.


Sobre a importância e os benefícios da oferta tanto de informações quanto do próprio DIU de Cobre nas maternidades, de acordo com informações do Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, Criança e do Adolescente, em vídeo gravado por Esther Vilella, que já atuou como especialista da saúde da mulher do Ministério da Saúde, elas são práticas simples e fáceis, e que garantem, além dos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres, a redução da mortalidade materna através de gravidezes mais planejadas e mais plenas.



Altamente eficaz, DIU de Cobre pode ser usado por mulheres de todas as idades


O modelo de DIU de Cobre atualmente disponibilizado pelo SUS é o Tcu 380, que consiste basicamente em um pequeno dispositivo em formato de T, composto de polietileno e revestido de cobre, com aproximadamente 36 milímetros de comprimento.


Além de ser o método anticoncepcional reversível mais utilizado no mundo, o DIU de Cobre é também um dos mais eficazes meios para se impedir a gravidez, com índices contraceptivos da ordem de 99,3%.


De fácil inserção, o DIU de Cobre possuí também uma altíssima duração, podendo ficar inserido no útero, ininterruptamente, por até 10 anos.


Livre de hormônios, é o cobre presente no dispositivo que impede que a fecundação ocorra. Segundo site da FEBRASGO, “o mecanismo de ação principal deve-se à produção de uma reação inflamatória, citotóxica, que é espermicida, determinando especificamente alterações endometriais, que comprometem a qualidade e a viabilidade dos espermatozoides.”


Mulheres de todas as idades, desde a primeira menstruação até a menopausa, que já tiveram ou não filhos, que estejam amamentando ou não, podem se beneficiar deste método.


Vale ressaltar, no entanto, que a escolha do método contraceptivo ideal para cada mulher deve levar em conta diversos fatores, como por exemplo a pré-existência de certas doenças inflamatórias ou transmissíveis, malformações uterinas, hábitos sexuais, alergias e tantos outros fatores.  Nem sempre o método contraceptivo ideal para uma mulher é o mais adequado para outra.


Além do mais, o DIU de cobre é extremamente eficiente para se evitar a gravidez, mas não é um método capaz de impedir o contágio por DSTs - Doenças Sexualmente Transmissíveis, como a sífilis, hepatites e a AIDS. Para tanto, o uso de preservativos como as camisinhas masculinas e femininas são essenciais.



Obtenha o DIU de Cobre gratuitamente pelo SUS


Como já mencionamos, o DIU de cobre pode ser obtido e inserido gratuitamente pelo SUS, tanto nas maternidades e hospitais cadastrados quanto nas Unidades Básicas de Saúde.


Além disso, se você tiver um plano de saúde o procedimento de inserção do DIU de cobre também é gratuito. Consulte seu plano de saúde e o seu médico.


Caso o DIU de mostre como uma interessante opção para você, vá até a unidade de saúde mais próxima e obtenha maiores informações sobre o dispositivo, a disponibilidade do mesmo e os locais com profissionais habilitados para o procedimento.

linha

Relacionados

linha