DIU de Cobre e trombose: há alguma relação?
Saúde da Mulher

DIU de Cobre e trombose: há alguma relação?

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter

Para as mulheres que estão em busca de um método contraceptivo de altíssima eficácia e de longa duração, certamente o dispositivo intrauterino de cobre, o DIU de cobre, tem se mostrado como interessante opção e alternativa a outras formas contraceptivas, em especial às que possuem hormônios em sua composição.

E nesta busca, muitas dúvidas sobre o método podem surgir, principalmente em relação a possíveis contraindicações e efeitos colaterais causados pelo dispositivo. E uma destas dúvidas mais frequentes gira em torno da relação entre o DIU de cobre e a trombose.

Trombose: doença silenciosa e que pode afetar a vida de muitas mulheres


Terceira maior causa de morte em todo o mundo, a trombose é uma doença originada pela formação de um coágulo nos vasos sanguíneos, podendo acometer as veias (trombose venosa) ou as artérias (trombose arterial).

Uma vez que um coágulo é formado, há o risco de que ele obstrua a passagem do sangue em determinado vaso, causando sérios problemas.

Há também o risco do coágulo se descolar e chegar a órgãos vitais, como o cérebro, o pulmão e o coração, o que pode levar a infartos, AVCs (acidentes vasculares cerebrais) e embolia pulmonar.

Segundo dados do World Thrombosis Day, site fundado e mantido pelo Sociedade Internacional para a Trombose e Homeostasia (ISTH, sigla em inglês), uma em cada quatro pessoas no mundo morrem de condições causadas pela trombose.

Somente nos Estados Unidos, cerca de 100 mil pessoas morrem a cada ano por conta da doença, número este que é superior à soma das mortes causadas pela AIDS, câncer de mama e acidentes de veículos juntos.

Segundo informações do hematologista Élbio D’Amico, veiculadas no site da ABHH - Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular, a trombose pode ser um perigo em potencial para as mulheres, já que muitas delas estão expostas a fatores de risco para a formação de coágulos, como pílulas anticoncepcionais de estrogênio e tratamentos de reposição hormonal. O risco de trombose também é bastante aumentado durante a gravidez e o período pós-parto.

No entanto, a trombose é uma doença que pode acometer a qualquer pessoa, de qualquer sexo.

Segundo dados da ABHH - Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular, “a incidência de trombose é igual nos dois sexos quando não estratificada por faixa etária. Quando é avaliada apenas a faixa entre 20 a 40 anos, a incidência é um pouco maior nas mulheres exatamente pela maior exposição a fatores de risco, como os anticoncepcionais e gestações.”

Principais sintomas e prevenção


Os principais sintomas da trombose são dores nas pernas e braços, mudanças na coloração da pele e inchaços, que podem ser sinais de formação de um coágulo.

Na presença destes sintomas, a orientação é procurar imediatamente um médico para que sejam realizados exames de imagem para verificar se de fato houve a formação de um coágulo e, em caso afirmativo, encontrar a sua correta localização.

Identificada a sua presença, o tratamento pode envolver o uso de anticoagulantes ou até mesmo o uso de dispositivos mecânicos, como meias de compressão e outros.

Ainda segundo a ABHH, algumas práticas ajudam a prevenir a trombose, como por exemplo:

  •    Praticar atividades físicas regularmente

  •    Manter o controle do peso

  •    Não fumar

  •    Não ficar longos períodos sentados, movimentando as pernas com certa frequência

  •    Usar meias elásticas no caso de insuficiência venosa, sempre com orientação médica.  


O uso do DIU de cobre e a trombose


Como o Dispositivo Intrauterino de Cobre, o DIU de cobre, não tem a sua eficácia contraceptiva calcada no uso de hormônios, ou seja, é totalmente livre de hormônios, seu uso não é um fator de risco para a ocorrência de tromboses.

De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde, o uso do DIU de cobre, inclusive, é considerado um método que pode ser utilizado livremente por mulheres com história pessoal de tromboembolismo venoso, com múltiplos fatores de risco para doença arterial, com mutações para fatores trombogênicos e para mulheres tabagistas, independentemente da idade.

Converse com seu médico


Se você busca um método contraceptivo altamente eficaz e livre de hormônios, procure e converse com o seu médico ginecologista e obstetra sobre a possibilidade da colocação do DIU de cobre.

É ele é o profissional capacitado para verificar se este é o contraceptivo mais adequado para o seu caso, observando fatores comportamentais, histórico de doenças e condições médicas que podem ou não ser empecilhos à colocação do dispositivo.

O DIU de cobre, atualmente, é fornecido e colocado gratuitamente pelo SUS – Sistema Única de Saúde e ofertado por alguns planos de saúde.

linha

Relacionados

linha