DIU de cobre causa câncer de colo útero?
Saúde da Mulher

DIU de cobre causa câncer de colo útero?

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter

Apesar de ganhar cada vez mais espaço no Brasil, o dispositivo intrauterino de cobre, o DIU de cobre, é um método contraceptivo ainda pouco conhecido e difundido em nosso país. As pesquisas nacionais mais recentes apontam que, dentre os métodos contraceptivos disponíveis, o DIU de cobre tem sido o método adotado em apenas 1,9% dos casos. Em outras regiões do mundo, no entanto, a popularidade do DIU de cobre é bem maior, com taxas de uso que variam entre 10% e 30% em países como China, Chile e França. Contribuem para o baixo uso deste método em nosso país, além do desconhecimento, a disseminação de certos mitos e crenças, como por exemplo a de que o DIU de cobre poderia causar infecções e até mesmo que o DIU de cobre causa câncer de colo de útero.

DIUs podem reduzir a incidência de câncer de colo de útero e endométrio


No entanto, ao contrário do que estes mitos postulam, estudos têm demonstrado que o uso de DIUs pode reduzir a ocorrência de cânceres colo-uterino e endometrial.

Em pesquisa realizada com mais de 20 mil mulheres, conduzida na Espanha, França e Holanda e publicada em 2011 na revista médica Lancet, observou-se que mulheres que usam DIU tem um risco 50% menor de desenvolver câncer de colo de útero do que mulheres que nunca fizeram o uso do dispositivo.

Acredita-se que a redução do número de casos da doença esteja atrelada ao processo inflamatório que o DIU causa na cavidade uterina - processo este que é o responsável por impedir a gravidez -, e que por sua vez estimula uma resposta imunológica do organismo, combatendo lesões que potencialmente poderiam evoluir para um câncer de colo de útero.

Este tipo de câncer está intimamente ligado à presença do vírus HPV, que pode causar lesões precursoras que, se não devidamente identificadas e tratadas, podem evoluir então para o câncer de colo de útero.

Há também evidências de que o uso do DIU de cobre também ajuda na redução de outro tipo de câncer que também afeta as mulheres, o câncer de endométrio.

Segundo consta no Manual de Anticoncepção da FEBRASGO – Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia, estudos caso-controle têm evidenciado uma redução de câncer endometrial em mulheres que usam o DIU de cobre, apesar de o mecanismo responsável por tal redução ainda não ser totalmente claro.

Conhecendo o DIU de cobre


O DIU de cobre é um dispositivo em polietileno de poucos centímetros, em formato de T, e revestido do metal cobre (daí o seu nome), que é inserido por meio de um simples procedimento médico (ambulatorial, sem a necessidade de cortes ou anestesia) na cavidade uterina da mulher.

Conforme já trouxemos acima, a eficácia contraceptiva do dispositivo é decorrente de uma leve reação inflamatória estéril causada pelo cobre, que gera alterações no muco cervical e na cavidade endometrial. Essa inflamação, por sua vez, impede o transporte e dificulta a mobilidade dos espermatozoides e, assim, acabam por prevenir a fertilização do óvulo.

O DIU de cobre é um método de altíssima eficácia, com taxas contraceptivas da ordem de 99,3%.

Além de sua alta efetividade em evitar que a fecundação ocorra, o dispositivo intrauterino de cobre também tem como característica a proteção de longo prazo, já que ele pode ficar inserido por até 10 anos no útero da mulher sem a necessidade de ser trocado, mantendo a sua proteção contra a gravidez ao longo de todo o período.

Outra característica do DIU de cobre é que ele um método contraceptivo totalmente livre de hormônios, diferentemente de outros métodos tradicionais, como por exemplo a pílula anticoncepcional, o DIU Hormonal e implantes hormonais.

Vale ressaltar que os DIUs são eficazes contra a gravidez, mas não oferecem proteção alguma contra infecções sexualmente transmissíveis, como a dos vírus HPV e do HIV. Para se proteger destas e de outras infecções sexualmente transmissíveis, o uso de camisinhas é indispensável.

linha

Relacionados

linha