Cigarro e Hormônios: Risco para a saúde
Saúde da Mulher

Cigarro e Hormônios: Risco para a saúde

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter

É muito sério e correto afirmar que o principal risco para uma mulher fumante e que, faz uso da pílula anticoncepcional é desenvolver trombose venosa profunda (TVP).

Para apresentar alternativas mais seguras para elas, a ginecologista-obstetra e mastologista, Erika Guertas elenca os métodos contraceptivos disponíveis e os respectivos níveis de eficácia, além de trazer outros esclarecimentos importantes sobre o assunto.

Antes das orientações ginecológicas, é essencial conhecer mais sobre a TVP e a gravidade dessa doença. De acordo com a SBACV (Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular), a trombose venosa profunda é a doença causada pela coagulação do sangue no interior das veias - vasos sanguíneos que levam o sangue de volta ao coração - em um local ou momento não adequados (devemos lembrar que a coagulação é um mecanismo de defesa do organismo). A TVP pode ser de extrema gravidade na fase aguda, causando embolias pulmonares muitas vezes fatais (embolia pulmonar é causada pela fragmentação dos coágulos e a migração destes até os pulmões, entupindo as artérias pulmonares e gerando graves problemas cardíacos e pulmonares).

Existem estimativas de probabilidade entre o uso de cigarro, do hormônio e problemas de saúde para a mulher? O tabagismo isolado aumenta o risco de TVP em 2 vezes.

Em pacientes usuárias de anticoncepcional, quando combinados estrogênio e progesterona, deve-se avaliar os demais fatores de risco para TVP como obesidade, dislipidemia, trombofilias e idade, entre outros.

No entanto, estudos que avaliaram o conjunto de fatores de risco com o uso da pílula e o tabagismo, identificaram, em mulheres com mais de 35 anos, o risco de TVP oito vezes maior do que na população geral.

Quais as principais indicações contraceptivas para as fumantes, além do DIU de cobre? Qual o grau de eficácia contracepitva dessas outras opções?

Métodos não hormonais:



















 MÉTODO



ÍNDICE DE FALHA


USO PERFEITO



ÍNDICE DE FALHA


USO TÍPICO


DIU de cobre6 em mil usuárias/ano8 em mil usuárias/ano
Preservativo2-5 em 100 usuárias/ano18-21 em 100 usuárias/ano

 

Anticoncepcionais compostos só de progesterona, que não aumentam o risco de trombose.
























 MÉTODO


ÍNDICE DE FALHA

USO PERFEITO

ÍNDICE DE FALHA


USO TÍPICO


Via oral3 em mil usuárias/ano9 em mil usuárias/ano
DIU de levonogestrel2 em mil usuárias/ano2 em mil usuárias/ano
Implante de etonogestrel5 em 10 mil usuárias/ano5 em 10 mil usuárias/ano

 

O uso perfeito é sem falha nenhuma. O uso típico considera falhas, ou seja, o hábito de cada um. Entre eles, colocar a camisinha só antes de ejacular e outros erros comuns. Importante destacar que todos os métodos têm diferença de eficácia entre o uso típico e o uso perfeito, mesmo que não apareçam contabilizados.

Para saber mais, consulte seu ginecologista.

Dra Erika Guertas é ginecologia-obstetra e mastologista. CRM:133954

 

linha

Relacionados

linha