Anorgasmia: o que é e como tratar a incapacidade de ter orgasmo
Saúde da Mulher

Anorgasmia: o que é e como tratar a incapacidade de ter orgasmo

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter

Você sabia que 35% das mulheres brasileiras são afetadas pela anorgasmia? 

Esse dado impressionante divulgado por um estudo pernambucano revela como a maioria ainda enfrenta dificuldades em atingir o orgasmo com um parceiro.

Em outra pesquisa realizada pela Universidade de São Paulo (USP), 29,3% das mulheres disseram ter uma vida sexual sem orgasmo.

Infelizmente, a incapacidade de ter orgasmo afeta a felicidade do casal e a autoestima da mulher. 

Muitas delas inclusive, mesmo gostando do parceiro ou tendo boas preliminares, não conseguem atingir o clímax da relação sexual.

Como explicar isso? Quais são as causas? É possível tratar?

Reunimos neste artigo todas as informações sobre a anorgasmia feminina. 

Até o fim dele você saberá como agir diante da incapacidade de atingir o orgasmo e como tratar esse problema para viver uma vida sexual saudável.

O que é anorgasmia?


A anorgasmia é classificada como uma disfunção sexual quando há ausência constante de orgasmo durante as relações sexuais.

Na prática, mesmo a mulher excitada, ela sente dificuldades de atingir o clímax na relação.

Segundo a ginecologia - ciência que explica a saúde feminina -, essa disfunção é uma das mais que gera queixas nos consultórios médicos.

Esse problema não é exclusivo das mulheres. Porém, é mais raro em homens.

Tipos de anorgasmia



  • Anorgasmia primária: quando a mulher nunca atingiu o orgasmo.

  • Anorgasmia secundária: quando a ausência de orgasmo ocorre ao longo da vida sexual.

  • Anorgasmia situacional: quando a dificuldade de ter orgasmo ocorre em uma situação específica, ou com algum parceiro.


Parece algo raro, mas a anorgasmia primária é mais comum do que parece. Muitas mulheres relatam nunca terem atingido o orgasmo em toda a sua vida sexual, como revela esta pesquisa.

Quais são as causas da anorgasmia?


A dificuldade de chegar no orgasmo - anorgasmia - pode ter diversas causas, sobretudo psicológicas.

É comum, por exemplo, mulheres que tiveram uma educação rígida ou pais muito religiosos não atingirem o clímax, porque em suas mentes o sexo é impuro e errado.

Além disso, as mulheres foram ensinadas culturalmente a sempre dar prazer ao homem. Porém, ao longo dos anos isso vem mudando e os parceiros estão começando a entender que, para satisfazê-las na cama, precisam conhecer os desejos da parceira.

Veja quais são as principais causas da anorgasmia:

Fatores físicos


As causas físicas, como dor de cabeça (sim, de verdade!), cansaço, TPM e até o estresse são fatores que causam a anorgasmia.

Nesses momentos, é importante você ter um bom diálogo com o seu parceiro e explicar que não está no melhor dia para se relacionar sexualmente. 

Forçar algo que não quer pode frustrar os dois.

Baixa autoestima


Segundo o Kantar Ibope, 23% das mulheres se sentem com baixa autoestima quando não tem autonomia sexual.

Isso mostra como a percepção que a mulher tem de si mesma afeta a relação sexual e, consequemente, o orgasmo.

Ou seja, quanto mais vergonha do seu corpo ou dela mesma, mais dificuldades de atingir orgasmo.

Histórico de abuso sexual


Traumas também estão entre as principais causas de anorgasmia.

Na hora do sexo, mulheres que sofreram abusos, por exemplo, revisitam inconscientemente esses episódios e não conseguem atingir o orgasmo.

Para a maioria delas, a relação sexual representa abuso e violência.

Preliminares ruins


Diferente dos homens, a maioria das mulheres não se excita apenas pela visão. Elas gostam do toque, de carícias e principalmente das preliminares.

De acordo com a pesquisa Prazerela, organizada pela pela psicanalista Mariana Stock, apenas 16% das mulheres sentem prazer na penetração.

27% responderam que sentem mais prazer no sexo oral.

Quando as preliminares são ruins, as chances de não atingir o orgasmo são grandes.

Além dessas, existem outras causas, como:

Emocionais



  • Culpa e tabus atribuídos ao sexo;

  • Desinformação;

  • Desconhecimento do próprio corpo.


Físicas



  • Desordens neurológicas;

  • Diabetes.


Hormonais



  • Diminuição da libido;

  • Hipotireoidismo;

  • Uso de remédios antidepressivos.


Como tratar a anorgasmia?


O melhor tratamento para a anorgasmia é identificar a causa. Identificando, é possível, como diz popularmente, “arrancar o mal pela raíz”. 

Em alguns casos, como na falta de apetite sexual, a reposição hormonal pode ser indicada pelo profissional, por exemplo.

Já em outros, sessões com psicólogo ou terapeutas podem ser suficientes para resolver o problema.

Mas só é possível diagnosticar com o auxílio médico. Por essa razão, busque a ajuda de um profissional, seja ele um ginecologista, terapeuta sexual ou psicólogo.

Medo de engravidar? Tenha mais confiança no sexo


Existe também um grupo de mulheres que se sente inseguro na hora do sexo com medo de engravidar.

Além de trabalhar a autoestima, o uso do DIU de Cobre é super indicado para quem quer ter mais confiança com o parceiro.

O dispositivo intrauterino possui mais de 99% de eficácia e não interfere no prazer sexual.

Com confiança, a mulher tem liberdade e mais chance de atingir o esperado orgasmo.

O que está esperando para ter mais liberdade sexual? 

Faça o uso do DIU de Cobre e tenha mais confiança no sexo!

linha

Relacionados

linha