Comportamento

Quando e como conversar com os filhos sobre planejamento familiar?

Falar sobre contracepção e a eficácia dos diferentes métodos que evitam uma gestação vão muito além de informações científicas. O assunto perpassa por diferentes temas correlatos e com o mesmo valor em importância.
O desenvolvimento da natureza reprodutiva, o autoconhecimento do corpo, nas relações sexuais, do prazer às responsabilidades que a atividade sexual envolve, incluindo o risco da gravidez precoce e da transmissão das DSTs, são itens que merecem igual atenção.

Nesse sentido, a psicoterapeuta de crianças, adolescentes e adultos, apresenta algumas orientações sobre como e quando o tema “planejamento familiar” merece atenção nas conversas com os filhos. As dicas representam um compilado de 30 anos de atuação na área comportamental.

Clareza, sinceridade e respeito às dúvidas, quando aparecerem. São os três fundamentos essenciais de suporte dos pais, quando o assunto é planejamento familiar. Essa fórmula, ajustada a situações específicas, cultura individual de cada família e senso de oportunidade, sem forçar nada, gera intimidade, cumplicidade e abertura para constantes trocas de informações, entre pais e filhos, durante toda vida. Essa maneira de lidar, conduz a um esclarecimento gradual, para que o tema seja naturalmente percebido e incorporado. O resultado é um rico legado de informações para o filho utilizar quando atingir a idade reprodutiva.

Para crianças - Quando os pais não sabem o que responder sobre planejamento familiar, é importante admitir que “não sabem” e dizer “que juntos poderão procurar essa resposta”, idealmente, de forma leve e bem humorada. O lúdico pode sim entrar, desde que seja um modo autêntico na forma daqueles pais se expressarem. Pais severos, rígidos, conservadores ou contidos, na sua expressão, soaria muito artificial e falso uma resposta mais lúdica.

Diferença entre gêneros - A abordagem para meninos e meninas pode ser a mesma. Os garotos precisam estar a par das peculiaridades das meninas e vice-versa sempre frisando o senso de adequação e oportunidade para explanar algo.

Momento ideal - Nem sempre acontece, mas funciona de uma maneira interessante, a família eleger uma ocasião em que todos possam conversar sobre assuntos importantes como, sexo, drogas, planejamento familiar ou qualquer outro de valor relevante para aquela família.

Intimidade – Não vale abordar o assunto, só quando a filha vira adolescente. Se a mãe não criar uma intimidade com a filha, ao longo de todo o desenvolvimento dessa jovem, ela irá parecer invasiva, se apenas pedir para ser avisada ou se insistir na pergunta: já teve sua primeira relação sexual?

Evitar gravidez precoce - Quanto aos métodos contraceptivos, o ideal é informar para filho ou filha, no momento em que estiverem prestes a iniciar sua vida sexual. É importante mostrar as dificuldades de uma gravidez precoce.

Irene Bial é psicoterapeuta de crianças, adolescentes e adultos, há 30 anos.

Relacionados