Palavra do Especialista

POMPOARISMO: QUEM USA DIU DE COBRE PODE PRATICAR?

O pompoarismo está totalmente liberado para mulheres que possuem o DIU de Cobre porque se trata da realização de exercícios específicos para o fortalecimento do tônus muscular na região do períneo, do músculo pubococígeo (PC). Encontrado em ambos os sexos, o PC estende-se do osso púbico até o cóccix, formando o assoalho pélvico, que é utilizado para apoiar os órgãos pélvicos. Essa região não causa interferência no útero, órgão que abriga o DIU. Assim, o exercício proposto pelo pompoarismo não oferece qualquer risco de deslocamento ou dano ao dispositivo. É o que relata a Doutora em Ciências, Meireluci Costa Ribeiro.

Muitos benefícios têm sido comprovados para quem aposta nessa técnica. Hoje, a prática, também conhecida como exercícios de kegel, vem conquistando um número cada vez maior de adeptos do gênero masculino. Conheça a seguir as vantagens do pompoarismo para tratamento e prevenção de doenças, para gestantes e no bem-estar da vida a dois. 

Afinal, o que é o pompoarismo? Trata-se de uma técnica, utilizada por culturas antigas, que engloba exercícios realizados com o uso do músculo pubococcígeo (PC) e tem o objetivo de fortalecer essa região, trazendo saúde e mais satisfação sexual. Alguns acessórios auxiliam nessa técnica. Entre eles estão as conhecidas bolinhas tailandesas (Ben-wa). A prática realizada de forma constante e adequada (sob a orientação de especialistas) possibilita que as mulheres consigam perceber, localizar e conduzir contrações musculares nos três diferentes anéis vaginais. Com a percepção e o controle de toda a musculatura, a troca do casal é bastante intensa, durante o ato sexual. Tal sensação amplia-se a partir do desenvolvimento dos exercícios.

Quais as origens da técnica? Sabemos que suas origens mais remotas estão no Tantrismo, na Índia Antiga, por volta do século V d.C., utilizado durante o Maithuna (união sexual sagrada). Sabe-se também que foi praticado na Tailândia e na China Antiga, no Taoísmo. Conclui-se que provavelmente tenha sido empregado por diferentes culturas e civilizações. Em sua ocidentalização, a técnica foi aplicada, nos idos da década de 1950, por Arnold Kegel, um ginecologista norte-americano, que utilizou o pompoarismo para o tratamento de mulheres que sofriam de incontinência urinária, por meio do fortalecimento da musculatura do assoalho pélvico. Esses exercícios passaram a ser indicados para tratar e prevenir a mesma questão em homens.

Mas, o que leva ao enfraquecimento desses músculos? Envelhecimento, sobrepeso, obesidade, gravidez, após a realização de um parto normal são os principais fatores.

E as principais indicações médicas. Quais são?

- Tratamento e prevenção do prolapso genital e uterino (perda de sustentação da bexiga urinária, uretra, útero, intestino e reto);

- Preparação para o parto. Tonificar e fortalecer e alongar a musculatura da região do períneo ajudam na hora do nascimento do bebê porque evitam o prolapso genital e colaboram com a expulsão do neonato. Na Universidade Federal de São Paulo (Departamento de Obstetrícia), as fisioterapeutas utilizam os exercícios de Kegel para as gestantes, e também utilizam um instrumento chamado de Epi-No, que alonga a região;

- Tratamento e prevenção de incontinência urinária;

- Ampliação do prazer na atividade sexual.

Mais satisfação na vida a dois - O pompoarismo confere a mulheres e homens aumento da consciência sobre o próprio corpo. Além disso, auxilia na lubrificação vaginal, aumenta o desejo, o prazer e intensifica os orgasmos (efeitos de quando se exercita a região, que possui bastante irrigação sanguínea). Sem contar que os exercícios estimulam a intimidade do casal, acontecendo inclusive durante o ato (momento da penetração).

Quem pode orientar para a realização correta dos exercícios? Normalmente, os pompoaristas são profissionais que se especializam nessa área. É comum que a arte de pompoar seja oferecida por fisioterapeutas, ginecologistas e, às vezes, pelo professor de Yoga e por terapeutas corporais, ambos treinados para essa finalidade. O importante é saber em quais momentos os exercícios de contração, na musculatura na região do períneo, devem ser executados. Um risco importante é o de ocorrer uma infecção urinária, caso haja a contração do músculo, no momento da micção.

Para saber mais, consulte um especialista.

Meireluci Costa Ribeiro é Doutora em Ciências pelo Departamento de Obstetrícia da Unifesp, Especialista em Sexualidade Humana e Terapeuta Familiar e de Casal.

Relacionados