Saúde da Mulher

Não quero mais ter filhos. Qual o método contraceptivo mais prático e eficiente?

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), não existe uma recomendação contraceptiva universal, direcionada para todas as mulheres. Com os avanços das tecnologias e a pluralidade de escolhas e perfis, incluindo estilo de vida e preferências, os métodos anticoncepcionais seguem a tendência de individualização.

Nesse sentido, a troca de informações torna-se um importante aliado do público feminino, que precisa conversar longamente com seu ginecologista, no momento da consulta. Assim, a praticidade fica por conta dos anseios individuais e da rotina de cada uma.

É o que confirma o ginecologista-obstetra Élvio Floresti Junior. Na visão do especialista, o melhor método contraceptivo é aquele que a mulher melhor aceita e gosta. Todos são eficazes se bem utilizados. Lógico que os naturais são mais falhos em relação aos hormonais e DIUs. Não há diferença se a mulher engravidou ou não, para o uso do anticoncepcional, exceto os definitivos como a laqueadura tubária e vasectomia, que só são feitos quando a mulher já está com a prole constituída e tem certeza de não querer mais filhos.

Podemos eleger em escala do mais indicado para o menos indicado método, nestes casos, considerando faixa etária, eficácia e a saúde integral da mulher?

O melhor método é escolha da mulher e o médico apenas indicará se há ou não contraindicação para o determinado método. Os hormonais ainda são os mais utilizados, mas tem a contraindicação na presença de distúrbios tromboembólicos, hipertensão e diabetes. Há também os DIUs com ou sem hormônio – DIU de cobre(sem) e SIU (com). Os implantes hormonais também tem sua indicação, mas também esbarram no preço alto e liberação hormonal. Mas, por liberar apenas hormônio progestagênico não tem as contraindicações dos anticoncepcionais hormonais (pílulas e injetáveis). Assim, não se pode fazer uma escala única para todas as mulheres e sim individualizar as indicações, após uma boa anamnese pessoal e verificação dos fatores de riscos e custos.

Para saber mais, consulte seu ginecologista.

Élvio Floresti Junior é ginecologista-obstetra pela Escola Paulista de Medicina. Realiza pré-natal especializado e atua em gestações de alto risco. CRM: 50402

Relacionados